Sem holofotes, reforma administrativa de Bolsonaro avança na Câmara dos Deputados

Construção de perfil do novo funcionário público brasileiro começará pelo Governo Federal

A Câmara dos Deputados, historicamente, é a mais badalada Casa política do País. Motivos não faltam: atribuições legislativas, quantidade de integrantes, heterogeneidade e interesses políticos etc. Mas, neste primeiro semestre de 2021, é o Senado Federal – a rigor, a CPI da Covid lá instalada – que está nas cabeças de audiência Brasil afora. O fenômeno foi, inclusive, motivo de especulação de estremecimento entre os presidentes Arthur Lira (PP-AL) e Rodrigo Pacheco (DEM-MG). Não houve nada disso. Se a relação entre os dois balançou foi muito mais pela ocupação dos espaços no Executivo – quesito no qual o alagoano, líder do centrão, ganha de braçada no mineiro.

Dependendo do olhar, a Câmara segue até mais relevante, em termos de agenda estruturante e reformista para o Brasil, como costuma enfatizar o presidente Lira. Esta semana, por exemplo, deverá ser instalada a comissão especial que analisará a reforma administrativa. Já acatada no aspecto legal pela Comissão de Constituição e Justiça, será, agora, esmiuçada, para em seguida ir a plenário. A proposta prevê alterações na relação entre o Estado e os servidores públicos , como o fim da estabilidade e alterações em salários para reduzir os gastos e a defasagem dos cofres públicos. É uma das prioridades do governo Bolsonaro e mais um ponto de atrito com o meio.

Privatização da Eletrobras na pauta da semana
No Senado Federal, as atenções devem se voltar esta semana para a desestatização da Eletrobras, recentemente aprovada pela Câmara. O esforço do Planalto é fazer com que a matéria não sofra mudanças. O relatório do senador Marcos Rogério (DEM-RO) deve seguir o que já foi estabelecido sem grandes alterações. Deve ser apresentado nesta quarta-feira e votado no dia seguinte. Assim, a privatização da estatal do setor elétrico avança sem grandes debates. São sinais dos novos tempos políticos, independentemente da mobilização restrita em função da pandemia.

Assembleia sintonizada com a sociedade
Gestão socialmente responsável e igualitária na comunidade. Com esse mote, a Assembleia Legislativa lança, nesta segunda, o Núcleo de Responsabilidade Social (NRS). Na ocasião, será assinado pedido de adesão ao Pacto Global da Organização das Nações Unidas (ONU). As iniciativas têm potencial de abrir novas conexões do Poder com a sociedade cearense.

Acrísio Sena e seu PT na TV Otimista
O PT sabe ocupar espaço, brigar por seus interesses e valorizar o que seus fichados na legenda chamam de democracia interna. No Ceará, o partido está próximo de uma encruzilhada – candidato próprio ao governo ou palanque pedetista. Nesta segunda, no programa Política, da TV Otimista, o deputado Acrísio Sena comenta alguns desses aspectos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *