Dois políticos, com méritos semelhantes e visões diferentes sobre o mesmo cenário

Eduardo Girão e André Figueiredo: visões diferentes, méritos parecidos

O senador Eduardo Girão (Podemos) é um missionário da política. Imagina-se à frente de um projeto cujos frutos vão além dos colhidos nos pragmáticos jogos do poder. Abraça causas ligadas aos valores sociais, da família e da vida. É conservador. Convicto do que pensa e defende, empunha a bandeira da renovação na política, por acreditar que a alternância oxigena a democracia. Neste 2020 eleitoral, Girão coordena a campanha do candidato do Pros à Prefeitura de Fortaleza, Capitão Wagner.

O deputado federal André Figueiredo (PDT) é um trabalhista raiz, da linhagem direta do velho e inspirador Leonel Brizola. Profundo conhecedor dos meandros brasilienses, é um dos “cabeças” da Câmara dos Deputados e já despachou na Esplanada dos Ministérios. Admirado por aliados e respeitado por adversários, abraça o revolucionário projeto educacional encabeçado pelos Ferreira Gomes no Ceará. André preside o partido que pretende dar continuidade, com o candidato a prefeito, José Sarto, ao projeto vitorioso em Fortaleza – a mais importante cidade administrada pelo PDT.

Mesmo com estradas, visões, histórias de vida e times de futebol diferentes, Girão e André são dois homens da boa política. Nos últimos dias, ambos dividiram um pouco de sua experiência de vida pública com os telespectadores da TV Otimista, no programa Eleições 2020, apresentado por este colunista. Em edições diferentes, cada um defendeu, com estatura, seu candidato, mostrando que é possível fazer política com “P” maiúsculo.

Quiseram as circunstâncias que o senador e o deputado federal estivessem, nesta acirrada campanha, atuando em campos diferentes – não em campos certo ou errado. São dois políticos parecidos nos méritos, mas com visões diferentes sobre o cenário eleitoral. Provavelmente, até mesmo desejando avanços semelhantes para a Cidade de Fortaleza.