Sob holofotes, Élcio enfatiza ser elo entre PMF e Governo do Estado

Da Coluna Erivaldo Carvalho, do jornal O Otimista, desta sexta/16:

88Candidato a vice-prefeito de Fortaleza atuou nas gestões Roberto Cláudio e Camilo Santana

Escalado para ser coadjuvante na campanha do candidato a prefeito José Sarto (PDT), o nome a vice, Élcio Batista (PSB) foi empurrado para os holofotes, por força da quarentena imposta ao titular, que se recupera da covid-19. É difícil medir e pesar o bônus e o ônus de uma situação tão atípica. Mas dá para perceber que a exposição do sociólogo à intensa agenda da corrida eleitoral em Fortaleza tem mais acertos do que erros. Particularmente, quando é explorado o óbvio, muitas vezes esquecido: o histórico de atuação de Élcio, tanto na gestão Roberto Cláudio (PDT) quanto na administração Camilo Santana (PT).

Foi o que aconteceu na propaganda de TV da coligação governista. Élcio enfatizou a soma de forças entre Prefeitura e Estado para gerar parcerias. O que mais pesou, politicamente, no entanto, foi o fato, lembrado pelo candidato a vice-prefeito, de ele ter sido secretário de juventude da gestão municipal e chefe de Gabinete e da Casa Civil do governo Camilo Santana. Esse é o ponto. Num palanque eletrônico no qual o bem avaliado governador não pode subir e a participação do prefeito tem limites, Élcio representou o elo que, com Sarto fora do isolamento, talvez não fosse cogitado ou não teria tanto peso.

Experiência e confiança política fizeram a diferença a favor de Sarto

Íntegra da Coluna Erivaldo Carvalho, do jornal O Otimista, desta sexta/11:

Fiel discípulo de Ciro Gomes, atual presidente da Assembleia já foi líder do governo Cid e vice-líder na gestão Camilo / Dário Gabriel-ALCE

“Líder de líderes”, como costuma se referir Ciro Gomes a presidentes de legislativo, José Sarto Nogueira (PDT), natural de Acopiara, médico, poliglota, 61 anos – 30 dos quais de vida pública -, é a aposta do grupo político hoje hegemônico no Ceará para suceder o prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PDT). No sétimo mandato de deputado estadual e discípulo fiel dos Ferreira Gomes, foi líder do governo Cid e vice-líder da gestão Camilo Santana. Em outras palavras, experiência e confiança política pesaram a favor de Sarto, assim como o bom desempenho em pesquisas internas sobre potencial eleitoral.

Desde o início do processo, o presidente da Assembleia esteve entre os mais cotados – justamente por suas ligações com Ciro. Isso quer dizer que o irmão mais velho dos Ferreira Gomes segue no grupo com inabalável poder de decisão. Significa, também, que o anticirismo em Fortaleza foi colocado em segundo plano. Para os adversários, os FGs dobraram a aposta. Mas isso é o de menos. Como disse o prefeito na live de apresentação da chapa majoritária, não será somente uma eleição. Será uma disputa por ideias, projetos, prioridades e o futuro da Capital. Isso, a dupla Sarto-Élcio tem para mostrar.

Vice consolida união do Estado e Prefeitura

Ex-colaborador das gestões Roberto Cláudio e Camilo Santana, o paranaense de Cascavel Élcio Batista, sociólogo, 46 anos, é mais do que uma solução política, num até então nebuloso cenário governista. O ex-chefe da Casa Civil do Estado representa, na aliança PDT-PSB, a simbólica fusão entre duas administrações bem avaliadas. No dia a dia dos dois governos, isso já é uma realidade. Agora, o “Juntos por Fortaleza” da futura chapa Sarto-Élcio passa a ser um mantra a ser explorado pelos estrategistas eleitorais.

Padrinhos políticos e os ecos de 2022

Ciro teve peso diferenciado na definição por Sarto. Já Camilo foi contemplado com a vice para Élcio e a linha sucessória na presidência da Assembleia. E qual parte deste latifúndio coube a Roberto Cláudio? Resposta: a chapa de 2020, sem Samuel Dias – preferido do prefeito -, deixa RC no crédito para a sucessão estadual, em 2022.

Primeira divisão está definida

Estão definidos os corredores de elite da maratona eleitoral em Fortaleza. A preço de hoje, Capitão Wagner (Pros), Luizianne Lins (PT) e Sarto Nogueira (PDT) formam a primeira divisão. Cada um tem o desafio de estar no segundo turno – se a disputa for mesmo em dois tempos. Mas isso, somente as urnas de 15 de novembro dirão.

Élcio: campanha em Fortaleza será “bastante difícil”

Élcio (acima, à direita) diz querer liderar projeto de novas ideias e avanços / Reprodução Youtube

O ex-secretário-chefe da Casa Civil e pré-candidato a prefeito de Fortaleza, Élcio Batista (PSB), disse hoje, durante live, que a disputa eleitoral para a sucessão de Roberto Cláudio (PDT) será “bastante difícil”.

Um dos nomes colocados à mesa pelo governador Camilo Santana (PT), Élcio é uma das oito opções do arco de aliança em torno do Paço Municipal, que inclui cinco pré-candidatos do PDT, um do Cidadania e outro do PT.

“O projeto, o compromisso e o contexto vai ser definidor (sic) para saber quem é o melhor pré-candidato para enfrentar os desafios de uma campanha eleitoral que imagino será bastante difícil aqui na cidade de Fortaleza”, disse o pré-candidato.

Élcio não detalhou quais seriam as “dificuldades”.

Ao logo da live, entretanto, o pré-candidato do PSB firmou compromisso com valores como igualdade e liberdade, e criticou a postura do governo Bolsonaro no enfrentamento à pandemia do novo coronavírus.

Realizada no início da tarde desta quarta/12, a live com Élcio abriu a série de entrevistas com os pré-candidatos à Prefeitura de Fortaleza, realizada pelo jornal O Otimista. Íntegra aqui.

Élcio deu a declaração quando respondia uma pergunta sobre os motivos que o teriam levado a entrar na disputa.

O pré-candidato lembrou que está inserido nos desafios da Cidade de Fortaleza desde a primeira campanha de Roberto Cláudio (2012), quando foi um dos coordenadores do plano de governo.

O pré-candidato citou, em tom elogioso, pelo menos três áreas – educação, infância e habitação – da gestão Roberto Cláudio com as quais assumiu o compromisso de fazer mais.

“Queremos liderar um projeto de novas ideias e avanços significativos”, disse Élcio, para quem o principal compromisso é com a Cidade.

Questionado sobre a possibilidade de vir a ser indicado candidato a vice-prefeito na chapa governista, Élcio disse que “nem o PSB faz exigência para ser cabeça de chapa nem o PDT deve fazer exigência para ser cabeça de chapa”.