CPI da Covid pode ser o início do fim do atual ciclo de poder

Os senadores Randolfe (em pé), Aziz e Calheiros, que formam a cúpula da comissão

A semana começa com todas as atenções voltadas para o início dos trabalhos da CPI da Covid, no Senado, previsto para esta terça-feira (27). As investigações pretendem dissecar os mandos e desmandos que produziram uma tragédia humanitária dentro da já trágica pandemia pelo novo coronavírus. Sem ascendência sobre o colegiado, desorganizado politicamente no Congresso Nacional, e com potenciais adversários se movimentando de olho no Palácio do Planalto, em 2022, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) terá pela frente dias, semanas e meses muito difíceis. No pior dos mundos, poderá ser o início do fim do atual ciclo de poder do clã mais poderoso do País.

Para além de que governo algum, por muito menos, sentir-se confortável com um canhão apontado para si, a própria ginástica que o governo fez para evitar a CPI diz muito do temor que ronda o Executivo. O último lance foi a nomeação do ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, para a Secretaria-Geral do Exército. Trata-se de um arquivo ambulante. Mas as investigações serão irrestritas, incluindo estados e municípios, correto? Sim e não. Há nítidos sinais de que os aliados manterão o esforço para dividir o foco do Governo Federal. Mas há controvérsias, como já captam os índices de pesquisas sobre a responsabilização dos culpados e as narrativas do entorno.

Debate aborda sustentabilidade econômica
Em momento mais do que oportuno, quando o mundo acaba de assistir a uma conferência global sobre o clima e o futuro do planeta, a Assembleia Legislativa do Ceará promove hoje mais uma edição do projeto Grandes Debates – Parlamento Protagonista, com o tema “Sustentabilidade: o caminho para o desenvolvimento”. À mesa virtual estarão Leonardo Boff (teólogo), Alessandro Molon (deputado federal-RJ), Artur Bruno (Sema-CE), Eudoro Santana (PMF) e Leonardo Pinheiro (deputado estadual-CE). Às 16h, em várias plataformas.

Fundeb no Ceará: R$ 215 milhões em prejuízos
Um erro em repasses do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) para municípios cearenses pode render prejuízos que beiram os R$ 215 milhões. Mais de 190 mil matrículas de alunos do ensino fundamental em tempo integral do Ceará deixaram de ser computadas, impactando 114 municípios. Cálculos do deputado estadual Queiroz Filho (PDT).

Sobre desenvolvimento e política no Ceará
É dominante a crítica de que o desenvolvimento econômico no Estado do Ceará vem se concentrando, cada vez mais, na Região Metropolitana de Fortaleza e em alguns pedaços do litoral. Prefeitos dos rincões do Interior que o digam. Eis um bom mote, tanto para o Governo do Estado, a quem cabe o planejamento, quanto para a oposição, que certamente pretende explorar.